o Quinteto Pixinguinha

Franklin, Kim, Andréa, Mauro e Raimundo em foto de Ana Luiza Marinho (2001)

Fundado em 1972, originalmente era um quarteto de flautas, integrado por Mauro Senise, Kim Ribeiro, Raul Mascarenhas e Ronaldo Albernaz. Após várias apresentações, inclusive um "Especial" para a RÁDIO JORNAL DO BRASIL com o próprio PIXINGUINHA e participação num quadro do primeiro programa FANTÁSTICO (TV GLOBO) que foi ao ar a cores, o conjunto entrou em hibernação por 25 anos.
Em 1997, tendo em vista as comemorações do centenário de PIXINGUINHA, Kim  e Mauro resolveram reativar o grupo, chamando Franklin da Flauta e Andréa Dias para substituírem Raul e Ronaldo,  e integrando Raimundo Nicioli ao violão, transformando o grupo em quinteto.
No Rio, o Quinteto Pixinguinha fez shows no SÃO CONRADO FASHION MALL, MUSEU DA REPÚBLICA, MISTURA FINA (lançamento do CD), SESC-Tijuca, PARQUE DAS RUINAS, CENTRO CULTURAL LAURINDA SANTOS LOBO, ARTE SUMÁRIA, Casa de Cultura LAURA ALVIM, no Auditório do Jornal O GLOBO, no AUDITORIO IBAM, na FLORESTA DA TIJUCA, no TEATRO DO BNDES, na SALA BADEN POWELL, no TEATRO GLÓRIA, em CAMPOS DE GOYTACAZES tocou no Coreto, no TEATRO SOLAR (Juiz de Fora - MG), na Praça da Baleia (RIO DAS OSTRAS), em MACACOS (perto de Belo Horizonte) e participou dos programas "AO VIVO ENTRE AMIGOS" (de L. C. SAROLDI) e "ALTAMIRO CARRILHO ENTRE AMIGOS" (de ALTAMIRO CARRILHO) na RÁDIO MEC.
Em novembro de 1999 o QUINTETO PIXINGUINHA gravou o tão esperado CD, no estúdio UPTOWN, com a valiosa colaboração de ZECA ASSUMPÇÃO no contrabaixo acústico e MINGO ARAÚJO na percussão. Com arranjos de ROBERTO ARAÚJO, FRANKLIN DA FLAUTA, ALBERTO ARANTES, KIM RIBEIRO e MAURÍCIO CARRILHO gravou de Pixinguinha os choros Um a Zero, Lamentos, Desprezado, Proezas de Solon, Cochichando e Carinhoso, mas também April Child (Moacir Santos), Traça-Coco (Kim Ribeiro), Sempre (K-Ximbinho), Priquitim (Franklin da Flauta), O Ovo (Hermeto Pascoal) e Bonita (Tom Jobim).

 O CD do grupo foi lançado em 2001

ANDRÉA ERNEST DIAS - Desde o início dos anos 80, Andréa é presença constante nos palcos e na discografia da MPB, da música sinfônica e de câmara. Bacharel em flauta pela Universidade de Brasília e Mestre pela UFRJ, apresentou a dissertação A Expressão da Flauta Popular Brasileira - Uma Escola de Interpretação. Atuou como solista com a Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Sinfônica Nacional, Orquestra Sinfônica de Recife, e em formações diversas nas séries de música de câmara do CCBB, Bienais de Música Contemporânea Brasileira , no Rock'n Rio 2000 e no Free Jazz em 88, 91, 97 e 2001. Apresentou-se também em Portugal, França, Venezuela, Estados Unidos, Japão e Marrocos. Em 95, tocou no Concerto Comemorativo da Independência na sede da Missão Brasileira na ONU, interpretando Villa-Lobos e Lorenzo Fernandez. Estreou, com a Orquestra Opus-Rio, o Divertimento para flauta em sol e cordas, de Radamés Gnattali. Em 2002, apresentou-se no 4º Encontro Latino-Americano de Compositores e Intérpretes (Belo Horizonte) e com o Quinteto Pixinguinha, foi solista do Projeto Aquarius em 2002, para um público de 20 mil pessoas. Participou da Camerata Gama Filho, Orquestra de Música Brasileira e Orquestra Pixinguinha e de importantes títulos da discografia brasileira, como os CDs Ouro Negro - Moacir Santos (vencedor do Prêmio Caras da Música Brasileira, categoria Instrumental, 2002 - MP'B/Universal); Reencontro - Luiz Eça (Biscoito Fino) ; Carlos Malta e Pife Muderno (finalista do 1º Grammy Latino/2000 - Rob Digital); Os Princípios do Choro (Acari) ;Mulheres no Choro (Acari); Joaquim Calado, o pai dos chorões (Acari); Mosaico - Escola Brasileira de Música; Camerata Gama Filho; Sempre Anacleto (Kuarup), Pixinguinha 100 anos (CCBB); Orquestra Brasília (Kuarup); Orquestra Pixinguinha (Kuarup); Quinteto Pixinguinha (NovasDireções). Sua flauta é ouvida, entre outras, em gravações para Caetano Veloso, Gal Costa, Chico Buarque, Baden Powell, Guinga, Edu Lobo, Milton Nascimento, Zeca Pagodinho, Zé Keti, Zé Renato, Dudu Nobre, Martinho da Vila, Beto Guedes, Cássia Eller, Olívia Byington, Wagner Tiso, Olívia Hime, Luis Bonfá, Beth Carvalho, D. Ivone Lara e Rosa Passos. Flautista da Orquestra Sinfônica Nacional - UFF , integra ainda os grupos Pife Muderno, Quinteto Pixinguinha, Ouro Negro e Banda de Câmara Anacleto de Medeiros . É professora dos Seminários de Música Pro-Arte e do Projeto Villa-Lobinhos (Instituto Moreira Salles/Museu Villa-Lobos/Viva Rio) e coordenadora do Mosaico Núcleo de Câmara.

Andréa, Kim e Franklin em apresentação em Macacos (MG), maio de 2004, foto de Rafael Motta.

FRANKLIN DA FLAUTA - Músico autodidata, começou tocando com BADEN POWELL em 1968. Frequentou o CLUBE DE JAZZ E BOSSA, organizado por JORGINHO GUINLE e SYLVIO TÚLIO CARDOSO. Em seguida, acompanhou CHICO BUARQUE, ROBERTO CARLOS, SÉRGIO RICARDO, GERALDO VANDRÉ, TOM JOBIM, MIÚCHA, ELIS REGINA, TOQUINHO & VINICIUS, QUARTETO EM CY, FRANCIS HIME, destacando-se como músico de estúdio e de shows. Atualmente integra os grupos QUINTETO PIXINGUINHA e CHORO NA FEIRA. Professor de flauta e compositor, tem  músicas gravadas por: QUARTETO EM CY, MIÚCHA, ALDIR BLANC, LUIZ CLAUDIO RAMOS e KIM RIBEIRO. Fez arranjos para GERALDO AZEVEDO(1980, 1989), FLAUTISTAS DA PRO-ARTE(1992/2001), QUINTETO PIXINGUINHA (1997/1999), DOBRANDO A ESQUINA (inédito) e é sócio fundador da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FLAUTISTAS (1994). Desde 1982 mantém uma oficina de conserto de flautas, sendo reconhecido pela qualidade dos serviços. Página do Franklin

KIM RIBEIRO - Começou a se apresentar em público aos 15 anos, em shows de bossa-nova que aconteceram a partir de 1964.  Muda-se para o Rio de Janeiro em 1968, estudando as matérias musicais com professores como Esther Scliar, Cezar Guerra Peixe, Homero Magalhães, Lenir Siqueira e Odette E. Dias,  de quem se tornaria professor-substituto. Durante 3 anos tocou piccolo na Banda do Corpo de Bombeiros do então Estado da Guanabara e logo virou músico da noite, tocando com Alaide Costa, Johny Alf, Sérgio Ricardo, Paulo Moura e Alceu Valença,  entre muitos outros.  Tocou em peças de teatro, nas orquestras Juvenil do Teatro Municipal e Sinfônica da Universidade Federal e em grupos de música de câmara. De 1980 a 85 atuou em Porto Alegre (RS), onde gravou discos coletivos e seus dois Lps, um dos quais dividido com Raimundo Nicioli e feito no Rio. Tem 3 CDs e trilhas para cinevideos como Causa Mortis, O Rei do Samba, Nair Benedito e participação em outros. Integra atualmente o QUINTETO PIXINGUINHA e o CHORO & CIA.    Início da página do Kim

MAURO SENISE - Mauro Senise, nascido em maio de 1950, no Rio de Janeiro, neto do pensador Alceu Amoroso Lima, começou sua carreira nos anos 70. Estudou flauta clássica com Odette Ernest Dias e sax com Paulo Moura dois mestres que Mauro reconhece como fundamentais em sua carreira. Durante muitos anos tocou e gravou com outros grandes mestres como Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, Wagner Tiso e Luis Eça. Já gravou também com todos os grande nomes da MPB. Ganhou inúmeros prêmios, dentre eles o troféu Playboy e o prêmio Brahma Extra de Revelação Instrumental pelo conjunto da sua obra. Apresentou-se por toda a Europa com Egberto Gismonti e na Espanha, França, Bélgica, Estados Unidos, Equador, Ilha de Malta com o Cama de Gato. Com este grupo tem seis CDs lançados. Em 1988, Mauro gravou seu primeiro disco solo, Mauro Senise, e no ano seguinte, o segundo, Jade. Em parceria com o compositor, pianista e arranjador Gilson Peranzzetta, lançou mais dois CDs: Uma Parte de Nós e Vera Cruz. Em 1995, Mauro gravou em Nova York, em duo com o excelente violonista e guitarrista Romero Lubambo, um álbum com standards da música popular brasileira. Em agosto de 1998, foi convidado para o Kuhmo Chamber Music Festival, na Finlandia, sendo solista de peças de Radamés Gnatalli e Villa-Lobos. Em maio de 1999 lançou seu sétimo CD solo, Virtuoso. Em junho de 2001, Senise lança o CD Dançando nas Nuvens, com o seu quarteto, obtendo muito sucesso por parte da crítica. Também em junho deste mesmo ano, Mauro Senise Quarteto é convidado para participar do 2º Chivas Jazz Festival, no Rio e em São Paulo, junto com os maiores nomes do jazz atual. O Mauro Senise Quarteto foi apontado pela crítica como um dos destaques do festival. Em abril de 2002, Mauro lança mais um CD solo, Vênus, reunindo composições com nome de mulher compostas por alguns dos maiores nomes da música brasileira. Em maio de 2002, Mauro se apresentou no Lincoln Center, em Nova York, no espetáculo The Music by Pixinguinha, dirigido pelo violonista Romero Lubambo, com participação do próprio Romero, de Nilson Matta, Duduka da Fonseca, Sérgio Brandão e Cyro Baptista, e participação especial de Paula Robison, uma das principais flautistas clássicas americanas. Em 2004, Senise lança o CD Frente a Frente, o terceiro em duo com Gilson Peranzzetta. Em 2005, lança o disco Tempo Caboclo, onde convida o arranjador, pianista, vibrafonista e compositor Jota Moraes. O CD reúne obras de compositores clássicos brasileiros com arranjos modernos e instrumentação inusitada. E lança também, “Extra de Vários”, disco gravado com Gilson Peranzzetta e David Chew, reunindo peças de Bach, Beethoven, Villa-Lobos, Debussy, Brahms, Chopin e Scriabin, entre outros. Página do Mauro

RAIMUNDO NICIOLI - Músico profissional desde 1972, atuou com vários nomes da MPB, tais como Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, Milton Nascimento, Edu Lobo, Nana Caymmi, Dorival Caymmi, Olívia Hime, Alaíde Costa, Simone e outros. Integrou o conjunto Banda Antiqua, onde tocava alaúde, praticando, assim, a música medieval e renascentista. Formou com Kim Ribeiro, Mauro Rocha, João do Cavaco e Camilo (pandeiro) o grupo de choro "Os 5 companheiros", onde tocava o 7 cordas em arranjos elaborados por ele e Mauro, excelente músico. Desde 1974 vem acompanhando diversos artistas como Maysa Matarazzo, Maria Medalha, Alaide Costa, Moreira da Silva, Joyce, Nana Caymmi, Fafá de Belém, Marlene, Boca Livre, Silvinha Telles e outros. Em 1976 viajou a Mainz (Alemanha) para uma temporada de quatro meses no Hotel Hilton daquela cidade. De volta ao Brasil, passou a integrar o grupo de Hermeto Pascoal tocando guitarra elétrica e piano. 1979 foi o ano de acompanhar Milton Nascimento numa grande tournée por várias capitais brasileiras. Em 81 lança o LP "Kim Ribeiro/ Raimundo Nicioli" onde divide a autoria das obras gravadas com as do flautista. Em 84, passa a tocar piano-solo e com grupo em várias casas noturnas do Rio. Ainda nesse ano viajou com Nana Caymmi para a França, a fim de participar do Festival de Jazz de Nice. Acompanhou as cantoras Ângela Ro-Ro e Simone, em temporadas na cidade de São Paulo. Em 1987 tocou na Mostra Internacional de Arte Brasileira em Amsterdã (Holanda), no Hotel Krasnapolski. Arranjador, é um dos responsáveis pelo trabalho dos Flautistas da Pro Arte.

O Quinteto com o maestro Sarov na noite de realização do 30o Projeto Aquarius - Forte de Copacabana (Rio, 2002)



 

o Choro & Cia

O regional existe desde 1987, com Cazé (bandolim), Kim (flauta), Cesar Ferreira (violão de 7) e Márcio Gomes (pandeiro). Fernando Cezar (violão) fixou-se no grupo há poucos anos e nossos cavaquinistas foram Ronaldo e Toinho, tendo agora Álvaro Gianinni como titular do instrumento.

O grupo gravou um CD de choros e valsas de compositores nascidos em Juiz de Fora (a produção foi por um projeto de incentivo cultural da prefeitura local) e foi incluído Saudades do Jazz Club, choro em que o autor toca flauta em dó e também a flauta em sol.

 



o Duo Curiy

Kim Ribeiro atua em duo com a musicista e pianista Valéria Mendonça, num trabalho que inclui muita música erudita (as sonatas para flauta e piano de J.S.Bach, a Sonata inédita de Cyprian Smith, a Siciliana de G. Faurée, etc) mesclada às composições próprias e a choros e sambas tocados de uma maneira muito peculiar.

VALÉRIA MENDONÇA é Bacharel em Música com habilidade em Composição Musical, é professora de piano, flauta doce, Percepção Musical, Prática Coral e Prática de Conjunto dos Cursos Fundamental, Técnico e Graduação no Conservatório Brasileiro de Música. Regente dos Corais Infantis do CBM e da Escola de Música Villa-Lobos. Coordenadora dos Cursos Fundamental e Técnico e do Projeto “ Jovens Instrumentistas ” do CBM. Leciona Prática de Conjunto e Prática Vocal desde 1994 especialmente para crianças e adolescentes onde desenvolve, paralelamente, um trabalho de arranjos instrumentais e vocais direcionado para o início do aprendizado até um nível de maior domínio do instrumento e da voz. Dando ênfase à música brasileira, procura desenvolver o prazer de tocar ou cantar algo que seja interessante e enriquecedor mas que esteja dentro das possibilidades técnicas dos jovens músicos. Organiza material didático para o ensino do piano e da flauta doce utilizando composições próprias e de outros autores, sempre enfatizando a música brasileira.

 


o Kuatrupe

O quarteto formado em 2006 para o lançamento do CD "40 anos de música" tem participação de Kim Ribeiro, Valéria Mendonça (ver acima), Berval Moraes (contrabaixo) e Big Charles (bateria).

Apresentou-se na Rádio MEC (programa de J. Carlos) com o repertório de lançamento do CD, e tocando também temas de bossa-nova, jazz, choros e sambas o grupo permanece se apresentando em casas noturnas, festas e festivais.


o Duo com Zelito Medeiros

Com o compositor Zelito Medeiros (Rio de Janeiro) o flautista desenvolve um trabalho mais autoral, onde suas composições recebem o foco principal. No entanto, o duo toca também temas de música brasileira dando ênfase aos escritos para formação insrumental.


Contatos para apresentações:

por e-mail ou pelos telefones:

- no Rio de Janeiro: (21)2541-0199 ou 9404-9831

- em Juiz de Fora (MG): (32)3235-7366 ou 9417-5349

 

Volta à Página inicial

1